As Duas Mortes do Comendador

A História da Sexta #9

AS DUAS MORTES DO COMENDADOR

O som abafado de vozes e soluços que preenchia a sala decorada por um quadro de santa, no hospital que levava o nome da família, foi quebrado pelo comunicado que o Comendador, anunciado como morto há dez minutos, na verdade, estava vivo.

– Ai meu Deus! – foi o que se ouviu com mais clareza no emaranhado de exclamações que tomou conta do ambiente.

Depois, quando as conversas retomavam o tom contido e a diretoria médica do hospital já havia sido convocada para as devidas explicações, alguém perguntou:

– Como assim, “ai meu Deus”?

– Autorizei o anúncio fúnebre em todos os jornais, encomendei coroas de flores, as rádios já devem estar chamando para o velório e a prefeitura pendurou a bandeira a meio-pau. Isso sem falar nas listas de distribuição – respondeu a ruiva, neta mais velha, sem tirar os olhos do celular.

Nossa Senhora! – gemeu tia Antonella, irmã do vivo.

Mais dez minutos de perplexo silêncio e o som de passos firmes anunciam a chegada da presidente do hospital, acompanhada de todos os médicos.

– Lamentamos informar que o Sr. Comendador, apesar dos nossos esforços, veio a falecer.

– Graças a Deus! – foi dito entre vozes abafadas e soluços, mas é o que foi ouvido.

VB

Share