A História de F.

#53 … e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.

Olá.

Hoje é sexta-feira: pouco papo e muita reza.

Entre textos e pinturas, goles e beijos, boa leitura e bom fim de semana.


A HISTÓRIA DE F.

– … e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Amém.

A lembrança da mãe ajoelhada ao lado de sua cama, rezando o Pai Nosso, acompanhou F. uma vida inteira. Primeiro, como acalanto. Depois, assombração.

F. não lembrava quando parara de rezar. Lembrava dos livros, das aulas, da sua lógica imbatível e da inexorável marcha da história. Lembrava também das conversas com sua mãe. 

– Meu modo de pensar é mais razoável do que a fé de vocês. Vocês fazem planos, estabelecem metas e jogam suas incertezas e medos nas mãos de um Deus qualquer. Nunca funciona.

Ano passado, morreu a mãe de F.

– A consciência plena dos fatos não se dá de uma única vez. Camadas de convencimento vão sendo depositadas no fundo da alma, uma após a outra, em intervalos loucos de tempo. Minha mãe morreu triste. Agora, sei disso.

Este ano, F. não ficou bem.

Deitado, F. sentia seu próprio cheiro e ouvia, vindo da rua, a trilha sonora de uma vida que parecia não fazer sentido. Sempre deitado, exausto, F. enxergou a curva da história nos olhos fixos do cão negro da sua depressão. 

Encolhido, coberto até a cabeça, F. chorou.

Chorando, lembrou da mãe. Soluçando, escorregou da cama e, de joelhos, repetindo baixinho, tentava recordar:

– … seja feita a vossa vontade, assim na Terra como no Céu.

Vitor Bertini


Lembrou alguém?

Share


  • Ontem, tudo por aqui era ficção; hoje, também.

  • Sexta, dia 05, tem mais.

  • Mensagem na garrafa: você que chegou até aqui, por curiosidade ou gosto, ajude o autor clicando em qualquer botão vermelho perdido por aí.